Papai Noel X Príncipe Encantado

 

 

Nós mulheres somos muito criativas e por isso criamos várias ilusões, ou aceitamos ilusões como se fossem alusões da verdade.

 

Quando éramos crianças acreditávamos e esperávamos pelo Papai Noel, para que trouxesse os presentes que desejávamos e com isso a felicidade.

 

Crescemos e aprendemos que Papai Noel não existia. Uma grande decepção, maior que as anteriores que era perceber que nem sempre o Papai Noel trazia o que lhe havia sido pedido.

 

Então, logo em seguida, começamos alimentar outro mito, o do Príncipe Encantado, e transferimos os mesmos anseios com relação ao Papai Noel para este.

 

O Príncipe Encantado, a Alma Gêmea, a outra metade da laranja, são equivalentes ao Papai Noel, pois devem realizar nossos desejos, nos fazer felizes, e não apenas uma vez por ano! Tem que ser diariamente: dizer que ama, ler pensamentos, fazer surpresas (só as que queremos, que na verdade não seriam surpresas), não reclamar, não ficar doente, aceitar nossos chiliques e melindres, não ter encontros com os amigos, reconhecer tudo que fazemos, entender a TPM, etc. E isso vai longe!

 

Por isso sofremos tanto por amor. Por amor??? Não, na verdade pela ilusão que criamos a respeito do amor e do Príncipe Encantado, afastamo-nos tanto da realidade e com isso alcançamos graus elevados de frustração. Buscamos um mito, uma ilusão, e pautamos nossa vida nessa busca insana.

 

Se nos respeitássemos mais apenas escolheríamos nos relacionar com um homem real e abandonaríamos a idéia de Príncipe Encantado, de esperar por algo que, se chegar, não trará realizações, pois deixará de ser o Príncipe. É isso mesmo! Quando se encontra o tal homem ideal está se vivendo uma ilusão temporária. Este homem, após algum tempo vai nos desmascarar, isto é, nós criamos a ideia de que ele é o homem ideal e lhe atribuímos valores e qualidades que nos convém. Com a convivência estas características que criamos serão substituídas pelos traços reais do parceiro. E neste momento vamos acusá-lo de nos ter enganado. Saltamos para mais uma ilusão, mais um autoengano: não nos enganamos, ele nos enganou!

 

O afeto para valer deve ser entre duas pessoas reais.

 

Ah! Convém lembrar que o equivalente masculino é a busca da Princesa Adormecida, que depois de beijada será eternamente grata.

 

Outubro de 2010.